NUA

3 de mai de 2013




Bati no portão da casa dele por volta das seis da tarde e sentia uma agonia sem fim.
 Mais eu estava decidida, sabia o que queria fazer. Seria minha primeira vez. Já havia roído as unhas de ambas as mãos. não dava mais para voltar atrás.  Gritei o nome dlee e ele ansioso do outro lado da porta, não levou mais do que dois segundos para atender.
 Ele perguntou se eu queria beber algo, pediu para eu não reparar a casa, eu não quis e não reparei. Ele perguntou me se queria sentar, recusei. Ele me perguntou então , no que poderia me ajudar. A resposta: sem preliminares. Quero que você me escute, simplesmente. 
Então comecei a me despir como nunca havia feito antes. Primeiro arranquei as máscara: “Eu tenho feito de conta que você não me interessa muito, mas não é verdade. Você é a pessoa mais especial que já conheci. Não por ser bonito ou por pensar como eu sobre tantas coisas, mas por algo maior e mais profundo do que aparência e afinidade. Ser correspondida é o que menos me importa no momento: preciso dizer o que sinto”. Então arranquei a peça da arrogância: “Nem sei com que pernas cheguei até sua casa, achei que não teria coragem. Mas agora que estou aqui, preciso que você saiba que cada música que toca é com você que ouço, cada palavra que leio é com você que reparto, cada deslumbramento que tenho é com você que sinto. Você está entranhado no que sou, virou parte da minha história.” Era o pudor sendo desabotoado: “Eu faço carinho em mim mesma tendo você no pensamento, e mesmo quando as coisas que faço são menos importantes, como ler uma revista ou lavar uma meia, é em sua companhia que estou”. Retirava o medo: “Eu não sou melhor ou pior do que ninguém, sou apenas alguém que está aprendendo a lidar com o amor, sinto que ele existe, sinto que é forte e sinto que é aquilo que todos procuram. Encontrei”. Por fim, a última peça caía, deixando-a nua: “Eu gostaria de viver com você, mas não foi por isso que vim. A intenção é unicamente deixá-lo saber que é amado e deixá-lo pensar a respeito, que amor não é coisa que se retribua de imediato, apenas para ser gentil. Se um dia eu for amada do mesmo modo por você, me avise que eu volto, e a gente recomeça de onde parou, paramos aqui”. E saiu do apartamento sentindo-se mais mulher do que nunca…

Um texto de Martha Medeiros parafraseado por Nathalia Pamela

0 comentários:







Se eu estou forte, se eu estou caido , Deus me ama! :D

Musiquinha ♥

Design e código feitos por Julie Duarte. A cópia total ou parcial são proibidas, assim como retirar os créditos.
Gostou desse layout? Então visite o blog Julie de batom e escolha o seu!